Maconha-prevenção e tratamento de dependentes
Questionário sobre uso de maconha ganha versão brasileira e pode oferecer dados que contribuam para a formação de novas estratégias de prevenção do uso e de tratamento de dependentes.







Instrumento é traduzido para o português e validado por professores da PUC-RS. Objetivo é a formação de políticas públicas que auxiliem na prevenção e no tratamento ao uso da droga





Notícias

Questionário sobre uso de maconha ganha versão brasileira


21/05/2007

Por Thiago Romero

Agência FAPESP – O Marijuana Expectancy Questionnaire (MEQ), instrumento criado nos anos 1980 nos Estados Unidos para avaliar expectativas pessoais sobre o consumo de maconha, ganhou uma versão brasileira, após a autorização de uma das autoras, Sandra Brown, professora do Departamento de Psicologia e Psiquiatria da Universidade da Califórnia em San Diego.

Os responsáveis pelo trabalho de tradução e validação do questionário, publicado nos Cadernos de Saúde Pública, são professores das faculdades de Psicologia e de Matemática da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), em Porto Alegre.

O MEQ se baseia nas “expectativas de resultados”, um mediador cognitivo do comportamento para o consumo de drogas que se baseia em crenças culturais de seus efeitos. “Ao saber como essas crenças são adquiridas e sustentadas, o questionário pode oferecer dados que contribuam para a formação de novas estratégias de prevenção do uso e de tratamento de dependentes”, disse Margareth da Silva Oliveira, professora do programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUC-RS, à Agência FAPESP.

Para validá-lo, os pesquisadores da PUC aplicaram o questionário em 400 pessoas: 147 usuários de maconha e 253 não-usuários. Segundo Margareth, os resultados do questionário confirmaram, entre usuários brasileiros, noções que haviam sido identificadas em estudos realizados com o mesmo questionário nos Estados Unidos.

“A redução da tensão e a sensação de relaxamento após o uso da maconha, além do fato de a droga supostamente promover a interação social e sexual entre os usuários, também foram identificados na pesquisa brasileira, o que nos permitiu validar o questionário”, explicou.

A versão brasileira do MEQ é composta por uma escala de 78 itens, distribuídos em seis escalas: prejuízo cognitivo e comportamental; redução de tensão e relaxamento; facilitação social e sexual; aumento de percepção e cognição; efeitos negativos globais; e efeitos físicos.

A partir dessas escalas, o questionário leva em conta, além das expectativas de resultados, as expectativas de eficácia, que envolvem o desempenho e a capacidade que os indivíduos têm para continuar ou parar de fumar maconha.

“O entendimento dos dois tipos de expectativas são importantes e podem influenciar ações de enfrentamento do problema, uma vez que, com o questionário respondido, os indivíduos têm informações para ponderar os prejuízos relacionados ao uso e os benefícios na cessação do consumo”, destacou Margareth.

Segundo a pesquisadora, a versão brasileira do MEQ é indicada tanto para o uso em estudos acadêmicos como em clínicas de recuperação de dependentes. Os pesquisadores e demais interessados em adquirir a versão brasileira do Marijuana Expectancy Questionnaire (MEQ) devem entrar em contato pelos e-mails marga@pucrs.br ou rosemeripedroso@yahoo.com.br.

Para ler o artigo Tradução, adaptação e validação da versão brasileira da escala Marijuana Expectancy Questionnaire, disponível na biblioteca eletrônica SciELO (FAPESP/Bireme), clique aqui


Fonte: Agência FAPESP
24/05/2007 - 13:01
Voltar